Bem Vindo ao Site Oficial do Hospital de Misericórdia de Altinópolis.

Telefone: (16) 3665 7200
Email: contato@hospitalmisericordia.com
R. Cel. Joaquim Alberto, 421
Altinópolis - SP

Humanização


HUMANIZAÇÃO NO HMA

humanizaçãoCom o objetivo de promover uma nova cultura de atendimento à saúde, o Centro Integrado de Humanização (GTH) do Hospital de Misericórdia de Altinópolis realiza reuniões com funcionários, que sustente discussões coletivas, que suponha mudanças pelos encontros entre seus componentes, destacando-se a importância de respeitar a vida humana, seja qual for a área de atuação de cada um, trabalhando no sentido de orientar práticas humanizadoras na atenção ao usuário, ao colaborador e na gestão dos serviços.

É um espaço onde as subjetividades humanas são discutidas e refletidas, onde a humanização é vista como um processo de aprendizado contínuo, incentivando mudanças positivas na cultura organizacional e fazer com que assim a Humanização esteja presente em todas as ações de cuidado.

 

MAS O QUE É HUMANIZAR?

Humanizar é garantir à palavra a sua dignidade ética. Ou seja, para que o sentimento humano, as percepções de dor ou de prazer sejam humanizadas, é preciso que as palavras que o sujeito expressa sejam reconhecidas pelo outro. É preciso, ainda, que esse sujeito ouça do outro palavras de seu reconhecimento. É pela linguagem que fazemos as descobertas de meios pessoais de comunicação com o outro. Sem isso, nos desumanizamos reciprocamente. Ou seja, sem comunicação, não há humanização. A humanização depende de nossa capacidade de falar e de ouvir, depende do diálogo com nossos semelhantes.

Paradoxalmente o desenvolvimento científico e tecnológico tem trazido tanto benefícios como prejuízos. Um mundo novo está sendo construído a partir das revoluções tecnológicas, e há uma indagação constante sobre como se processam as informações em uma era midiática.

A palavra pode ser reduzida, o contato humano secundarizado, a informação descontextualizada, a comunicação fragmentada na mesma medida que os avanços tecnológicos também engendram práticas sociais integradoras, humanizadoras.

A ciência e tecnologia se tornam desumanizantes quando ficamos reduzidos a objetos despersonalizados de nossa própria técnica, de uma investigação fria e objetiva. O preço que pagamos pela suposta objetividade da ciência é a eliminação da condição humana da palavra, que não pode ser reduzida, no caso da prestação de serviços de saúde, à mera descrição técnica dos sintomas e da evolução de uma doença, por exemplo. Quando preenchemos uma ficha de histórico clínico, não estamos escutando a palavra do paciente. As informações são indispensáveis, sem dúvida. Mas o lado humano ficou excluído. O ato técnico, por definição, elimina a dignidade ética da palavra, pois esta é necessariamente pessoal, subjetiva e precisa ser reconhecida na palavra do outro. Um hospital ou um posto de saúde pode ser excelente do ponto de vista tecnológico e, mesmo assim, ser desumano no atendimento. Isso acontece quando os pacientes são tratados como simples objetos de intervenção técnica e não acolhidos em suas angústias, temores e expectativas, ou sequer são informados sobre procedimentos necessários.hand-505277_1920

A explicação pode ser o excesso de demanda, a procura exagerada de ofertas técnicas e tecnológicas, a busca voraz de lucros ou ainda a falta de condições técnicas, de capacitação, de materiais, de gerência, de espírito de acolhimento. Os serviços tornam-se desumanizantes pela má qualidade resultante no atendimento e sua baixa resolubilidade. Essa carência geral ou específica de condições gerenciais, técnicas e materiais induz à desumanização, já que profissionais e usuários passam a se relacionar de forma desrespeitosa e impessoal.

Humanizar a assistência à saúde é dar lugar não só à palavra do usuário como também à palavra do profissional de saúde, de forma que tanto um quanto outro possam fazer parte de uma rede de diálogo. O compromisso com a pessoa que sofre pode ter as mais diversas motivações, assim como o compromisso com os cuidadores e destes entre si. Cabe a esta rede promover as ações, campanhas, programas e políticas assistenciais, tendo como base fundamentalmente a ética, o respeito, o reconhecimento mútuo, a solidariedade e responsabilidade.

Partindo dessa perspectiva, a Política de Humanização da assistência à Saúde aponta diferentes parâmetros para a humanização da assistência hospitalar em três grandes áreas:

» Acolhimento e atendimento dos usuários.
» Trabalho dos profissionais.
» Lógicas de gestão e gerência.

Esses parâmetros podem servir para o trabalho de análise, reflexão e elaboração de ações, campanhas, programas e políticas assistenciais que orientem um plano de humanização.

A expectativa da PHAS (Política de Humanização da Assistência à Saúde ) é criar uma nova cultura de humanização, que valoriza as ações humanizadas já desenvolvidas, criando uma filosofia organizacional que promova a conjugação cotidiana do verbo humanizar.

Uma cultura de humanização necessita tempo para ser construída, impõe a participação de todos os atores do sistema, determina a ruptura de paradigmas. Humanizar é verbo pessoal e intransferível, visto que ninguém pode ser humano em nosso lugar. E é multiplicável, pois é contagiante.

 


Texto extraído do Manual de Humanização do Programa Nacional de Humanização da assistência Hospitalar (PNHAH) disponível em: http://www.humanizasaude.rs.gov.br/site/artigos/manual/

 

 

Hospital de Misericórdia de Altinópolis
R. Cel. Joaquim Alberto, 421 - Centro - Altinópolis - SP
2019 - Hospital Misericórdia de Altinópolis® - Todos os Direitos Reservados©